domingo, 30 de maio de 2010

Moinho e Catavento

Agenor acordou com sol balançando as suas pálpebras, sem dó, invadindo o seu apartamento, o chão estava gelado, mas na sua boca o líquido quente já amargava o gosto da manhã com lembranças da noite passada, ele se levantou do chão e se arrastou até o banheiro, lavou o rosto tentando limpar a alma, olhou para o espelho com vergonha de si, em sua mente alguns flashes do que tinha acontecido, enrugou a testa tentando lembrar das pessoas com que ele esteve noite passada, sem resultado, sua memória era um borrão sem fontes, aliás, sua vida tem sido um borrão há mais ou menos uns 4 anos.

De repente, como um grito, a campainha toca, estranho, quem poderia ser essa hora? seus amigos deveriam estar na mesma situação que ele naquele momento,bateu no cabelo arrepiado, bocejou, coçou o pé direito com o dedão do pé esquerdo, tentando se equilibrar, abriu a porta, um cara com seus 40anos, cabelos enrolados e grisalhos, barba bem feita, camiseta e com um jeans informal, com um sorriso no rosto, e olhando fixamente nos olhos verdes avermelhados de Agenor, e como um amigo conhecido o homem estranho deu-lhe um abraço caloroso e disse: "Quanta saudade! já não em aguentava mais!"

Agenor sem entender sua própria atitude, deixou que o homem entrasse no seu apartamento,e então os dois sentados um de frente para o outro, Agenor esparramado na poltrona, e o homem na cadeira com as mãos nos joelhos e com um sorriso constante, quase irritante, e permaneceram assim por quase 10min, até que Agenor respirou fundo e perguntou:
- Quem é você?
- Não está me reconhecendo?
- Não. Acho que não...ah! você não trabalha na padaria aqui do lado?
- Não, você está enganado...
- bixo, eu SOU enganado!
- Não, você não pode fazer uma afirmação absoluta sobre você mesmo, você não se conhece.
- VOCÊ que não me conhece, nunca me viu na vida, e do nada você tá aqui na minha sala...é cada maluco que me aparece!
- Te conheço mais do que você imagina, a gente costumava conversar, não se lembra? quando você ia na igrejinha da sua mãe, Igreja esperança da avenida principal, tá lembrando agora?
- Da igreja eu lembro! frequentava lá há uns 4 anos, mas de você? como te chamam?
- Isso não importa, o que importa é que eu vim te buscar!
Com uma risada irônica nos lábios, ele indagou: - E pra onde você vai me levar?
- Vou te levar de volta, pra onde é o seu lugar Agenor, pra perto do Pai
- Ah,então você vai me matar? porque não disse antes!
- Você que vai se matar, vai morrer pra este mundo, eu to falando é de uma vida, porque isso que você tem levado é tudo, menos uma vida
- Agora eu to entendendo, você é um daqueles evangelistas! quanto tempo não vejo um, quando eu sai da igreja era constante as ligações e visitas de vocês, mas dai o tempo passou e sei lá, acho que desistiram de mim...
- Não sou um membro do grupo de evangelismo, mas verdade é que desistiram de você, até você desistiu de você mesmo! mas eu não...há tempos que eu to querendo vir aqui, mas estava esperando o momento certo. Afinal você estava ocupado demais pra parar pra me ouvir, as festas da faculdade, os amigos, as garotas...tudo isso leva tempo demais, eu compreendo!Mas fico feliz de agora você ter um tempinho pra gente conversar...já que a festa de ontem pelo visto já acabou, e na boate que você combinou de ir hoje só abre meia noite mesmo...acho que temos bastante tempo.
- Isso é zoação da galera, pode falar, foi o Tonho que mandou você aqui?
- Não, você sabe que não.
Só queria te dizer, que apesar de você ta tão decidido, quero falar com você, porque daqui a pouco já não vai ser o mesmo, em cada festa a sua vida cai um pouco mais, ainda é tão cedo, mas você quer tanto conhecer a vida, tudo bem! mas você comprou a pá e vocês mesmo está cavando seu próprio buraco.
- Você não entende, nem sei porque estou aqui conversando com você ainda, mas você não sabe o que aconteceu, eu era um cara correto, sabe? até careta, por assim dizer...mas eu tenho meus motivos e ainda tenho minhas verdades, e...
- Eu sei, sei de tudo, sei que sua mãe morreu há mais ou menos uns 6 anos, mas você continuou indo a igreja, seguindo os caminhos do Senhor, mas seu irmão, o pastor jovem da igreja, caiu e acabou adulterando, ele pediu perdão e ainda luta contra o pecado,e sua namorada da época, quando planejavam se casar ela terminou o noivado e se casou com o ministro de louvor, mas pra você isso foi uma decepção tamanha que não deu conta de ouvir mais os sermões, isso porque estava focado nas pessoas e não em Deus...pessoas te machucaram e vão continuar te machucando, e isso é inevitável, mas no banco do céu, tem um lugar vago que só você vai preencher.

Agenor arregalou os olhos não acreditando no que ouvia, como isso poderia estar acontecendo? e de repente ele já não tinha controle com o próprio corpo, começou a chorar descontroladamente, algo muito forte ardia no seu peito, e ele que achava que nunca mais sentiria essa sensação novamente...

- Você não sabe, Agenor, que Deus moveria céu e inferno para te ter de volta? moveria o sobrenatural para poder te tocar novamente, porque todos os dias quando você levanta, Deus monta uma verdadeira fortaleza para te proteger? São tantos livramentos que ele te dá todos os dias e você nem percebe, como ontem, aquele presunto vencido da geladeira que você comeu e não te fez mal, ou a briga que teve no bar da faculdade semana passada, onde aquela faca daquele sujeito cravou na sua mesa em vez do braço? e tantas noites que você dirigiu completamente embriagado e chegou vivo em casa?

Agenor com as mãos no rosto não conseguia abrir os olhos mais, estavam pesados com o peso da vergonha que ele sentia naquele momento!
Ele então fez uma oração de tudo que estava sentindo, e tudo que ele dizia parecia ouvir uma resposta imediata de um Deus compreensível! E tudo aquilo se tornou tão maravilhosamente milagroso, ele não podia acreditar...Então o homem segurou suas mãos, Agenor olhou para as palmas das mãos daquele homem e achou estranho, viu uma tatuagem que dizia: "Agenor França de Melo"

- Você tem uma tatuagem com o meu nome?
o Homem riu, levantou, beijou sua cabeça e disse:
- Te vejo domingo.
Abriu a porta, olhou para trás e disse: " a vida não precisa ser um moinho triturando seus sonhos,ela pode ser leve, como um catavento!" e saiu. Agenor ficou pálido da estranheza da situação que havia vivenciado, não entendeu o porquê, mas pegou a velha bíblia que servia para regular os pés da mesinha de centro, tirou o pó da capa preta de couro, e começou a ler. Era grandioso demais para sua mente entender o que aconteceu ali, na sala da sua casa.

" Eis que nas palmas das minhas mãos te gravei" Isaías 49:16

4 comentários:

  1. Filha,
    quero te ler sempre!
    Como você consegue traduzir as emoções, nossos anseios, nossa preocupação em palavras!
    Você simplesmente não pode parar!
    Lembra do que te falei na sala de casa?
    Você vai longe!
    Sua escrita te levará!
    Amo!!!
    Bjo de mãe...
    Drika

    ResponderExcluir
  2. Nossa... O Agenor é uma pessoa comum... engraçado isso.. se pararmos pra pensar... todos nós o somos... e como pessoas comuns... devemos ter o sincero compromisso com Jesus Cristo... e isso certamente custará a nossa vida. Mas, é grandioso saber que temos nossos nomes e vidas gravados nas mãos de Jesus. :)

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Isso é vida! É Deus usando os seus amados para abençoar Agenores. Continue escre-servindo!
    E obrigada pela lição que de hoje levo pra vida.
    Beijo da tia.

    ResponderExcluir